sábado, 31 de outubro de 2015

QUARENTA

Tenho a consciência que preparei a corrida bem. Apesar de ter ficado doente as duas últimas  semanas, sentia-me bem nos dias antecedentes à grande corrida. Mas a "coisa" não correu tão bem como o previsto, ou seja, não foi fácil. Apesar de tudo fiz os 40 quilómetros que se impunham (e mais um pouco, na verdade corri a distância da maratona).

Este é o meio-dia da vida, quando o sol toca o seu ponto mais alto no céu. Olhando para trás e fazendo um balanço de vida: foi o melhor ano de sempre, concretizei sonhos que já tinham passado e passei metas que só pensava atingir muito mais tarde na vida. Sinto-me melhor que nunca. Sem falta de humildade: sou melhor pessoa, mais homem, mais humano, mais ser. As mundivivências (mesmo assim: mundivivências) que me vão metamorfoseando e melhorando não são experienciadas sozinhas, antes saboreadas a par, o que permite que o pluck transformador penetra a alma ainda mais fundo. Mas não posso descansar à sombra daquilo que agora sou. A gente vai continuar. Afasto qualquer arrogância que possa ter-se apoderado de mim e sigo viagem: este será o melhor ano de sempre.

Parti por volta do meio-dia. Faz sentido. As pernas indicaram-me logo que as coisas não estavam muito bem. 30 kms, três semanas antes, tinham sido muito mais fáceis de fazer, apesar do treino ter sido na serra e o desnível positivo acumulado ter passado seguramente os 1000 m, foram mais rápidos. O saldo final da corrida foi 1h15m de atraso em relação ao tempo que tinha previsto fazer tudo nas calmas. Não tinha nenhum problema com o tempo, por mim se não pudesse ser em 4 horas, seria feito em 6, o que me preocupava era a Ana, a Camila e o Leonardo (a minha "support team") que estariam atrasados para uma outra actividade. Afinal a outra actividade era a minha festa de anos, toda a gente sabia da festa menos eu...

Adorei, mesmo os quilómetros mais difíceis, onde até fui atacado por cães. Foi brutal.




A Gente Vai Continuar
Jorge Palma
  
Tira a mão do queixo não penses mais nisso
O que lá vai já deu o que tinha a dar
Quem ganhou ganhou e usou-se disso
Quem perdeu há-de ter mais cartas pra dar
E enquanto alguns fazem figura
Outros sucumbem á batota
Chega a onde tu quiseres
Mas goza bem a tua rota

Enquanto houver estrada pra andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada pra andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar

Todos nós pagamos por tudo o que usamos
O sistema é antigo e não poupa ninguém
Somos todos escravos do que precisamos
Reduz as necessidades se queres passar bem
Que a dependência é uma besta
Que dá cabo do desejo
A liberdade é uma maluca
Que sabe quanto vale um beijo

459

sábado, 24 de outubro de 2015

40 VAMOS LÁ?

Daqui a 24 horas (mais coisa menos coisa) partirei para esta aventura com o nome de código RA459. A ideia é simples: efectuar o número de quilómetros pelo número de anos que completo.

Nas últimas duas semanas os treinos não correram como o pretendido, uma constipação seguida de sinusite obrigou a uma paragem.
Mas estou confiante. Domingo correrei por mais um quilómetro que o ano passado. A prenda de anos que eu quero que nunca falte é essa possibilidade de os poder correr e a felicidade de não os correr sozinho.

Deixa-me ver o tempo para domingo:
http://vitorbaiameteo.pt/tempo/cova-da-beira/

Domingo vai ter mais nuvens do que o anteriormente previsto mas ainda pode aparecer algum Sol. Não há previsão de chuva.

TEMPO COVA DA BEIRA
Previsão alargada


DOMINGO
25/10/2015
12 ºC 22 ºC
Vento fraco de Sueste.
Céu parcialmente nublado.

O dia promete ser bom, e só para não acabar tão rápido como os outros terá 25h em vez das habituais 24. Connects, não é pra todos...

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

40.15

E esta  15ª semana de preparação foi assim:

Semana 15 (de 28 de Setembro a 4 de Outubro )
28 Setembro - Descanso
29 Setembro - 7km Corrida 5:14 min/km 0:36:37
30 Setembro 2015 - 10km Corrida 4:27 min/km 0:44:28
1 Outubro 2015 - Descanso
2 Outubro - Descanso 
3 Outubro - 30km Corrida 7:00 min/km 3:30:00
4 Outubro - Descanso

A próxima semana entro numa nova fase:


FASE CINCO
Muito bem! Próxima: Fase Abrandamento e Dia da Prova.
DURAÇÃO DA FASE
2 semanas
DISTÂNCIA TOTAL
130,5km
DATA DE CONCLUSÃO
25 Outubro
PRÓXIMA FASE
Recuperação
Durante a fase de Abrandamento e Dia da Prova irá correr 130,5km em12 corridas corridas.O objectivo da Fase de Abrandamento e Dia da Prova é fazer com que o seu corpo fique nas melhores condições possíveis. Tanto a distância como a intensidade do treino são reduzidas para permitir que o seu corpo recupere e compense. É ainda adicionado um ritmo de treino de prova para que o corpo se habitue ao ritmo necessário no dia da prova.

O dia em que completo os 40 está a chegar. Por antecipação recebi já um presente.

Agora é aprender a funcionar com ele para dar uns descansos à velhinha máquina de guerra casio.

Ainda falta arranjar um nome para o novo gadget...


segunda-feira, 28 de setembro de 2015

40.13; 40.14

Como esta fase é já a da "simulação da competição", porque está próximo o grande dia, também eu começo a preparar a logística. O percurso está mais ou menos definido, os locais dos abastecimentos também. A fantástica equipa de apoio está preparada.
Faltam agora 4 semanas. Ainda esta não está feita e já começo a pensar na próxima...

Resumo destas duas semanas:

Semana 13 (14 a 20 Setembro)
14 Descanso
15 7km Corrida 5:13 min/km 0:36:29
16 13,5km Corrida 5:08 min/km 1:09:12
17 Descanso
18 7km Corrida 5:10 min/km 0:36:12
19 Descanso
20 Descanso

Semana 14 (21 a 27 Setembro)
21 Descanso
22 7km Corrida 4:57 min/km 0:34:40
23 13km Corrida 5:08 min/km 1:06:50
24 Descanso
25 7km Corrida 4:45 min/km 0:33:14
26 Descanso
27 10km Corrida 6:00 min/km 1:00:00

Esta semana vai começar uma nova etapa nas nossas vidas. A ver se me aguento*

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

40.11; 40.12 e notificação para a 40.13

As semanas que se passaram foram de férias com a família. Tivemos a oportunidade de fazer o passadiço do Paiva (já que toda a gente os fez...) um dia antes de terem ardido. Gostava e deixar um post com o relato deste passeio pelo passadiço, a ver se consigo.

Por agora o resumo das semanas:

Semana 11 (31 Agosto a 6 Setembro)
1 Setembro +- 7km Corrida @ 0:38:29
2 Setembro +- 13km Corrida @ 1:05:44
6 Setembro +- 8km @ +- 1h

Semana 12 (7 a 13 Setembro)
Descanso total nada forçado

E esta semana já recebi a notificação do treinador MyAsics:


FASE QUATRO
Muito bem! Próxima: Fase Simulação de competição.
DURAÇÃO DA FASE
2 semanas
DISTÂNCIA TOTAL
144,5km
DATA DE CONCLUSÃO
3 Outubro
PRÓXIMA FASE
Abrandamento e Dia da Prova
Durante a fase de Simulação de competição irá correr 144,5km em 12 corridas corridas.Esta fase consiste num treino prático para a competição. Deve tentar completar as sessões de ritmo acelerado utilizando o equipamento que pretende usar no dia da competição. Nesta fase, comece a pensar na forma como deseja correr na competição. Prepare-se mentalmente.

Mas as 2 semanas da fase quatro terão de ser de ajuste do plano, isto de ficar uma semana parado tem as suas consequências...

459

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

40.10

Um treino longo para  refrear os ânimos do post anterior... Deveriam ser uns vinte e sete quilómetros, fiquei-me pelos vinte e dois, vinte e três quilómetros feitos já a muito custo. Entre os dez e doze quilómetros levei uma marretada daquelas... Arranjo culpados: a noite estava quente e faltou-me a água. Contudo o entusiasmo voltou-se para outros lados.

Semana 10 (de 24 a 30 de Agosto)
25AGO +- 7km Corrida 0:37:53
26AGO +- 13km Corrida 1:06:50
28AGO +- 7km Corrida 0:39:00
29AGO +- 23km Corrida 2:02:09

A ver se me recomponho com uma semanita (semanita porque apesar de ter os mesmo dias e horas que as outras vai parecer muito mais pequena) de férias...

Bons trilhos, bons passeios.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

40.9

Os anos enrugam a pele, mas renunciar ao entusiasmo faz enrugar a alma.
Albert Schweitzer

Ando entusiasmado com a progressão dos treinos e com a subida de forma. Tanto que estou a pensar nas três e vinte do Porto...
Vamos ver, com uma dieta e mais treinos de estrada sem declives estou convencido que lá chego...

Para já o resumo da semana 9 (de 17 a 23 de Agosto)
22 Corrida 1:07:53 13 Km
21 Descansar (não me apeteceu...)
19 Corrida 1:12:48 13 Km
18 Corrida 0:40:05 7 Km

Bons treinos, boas corridas.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

40.8 e Benfeita Trail

A primeira semana de "ir mais longe" correu bem. No fim da semana corri o Benfeita Trail e mais ou menos pelos planos traçados. Foi bom, gostei das sensações e das indicações que o meu corpo deu no que respeita à corrida, parece que vou no caminho correto. Falta introduzir nos planos o tal reforço muscular: senti o cansaço dos músculos lombares, principalmente nas descidas.

Gostei do fim-de-semana, só não gostei das curvas e contra curvas para chegar a Arganil e à Benfeita. Mas depois foi óptimo. Não houvera tantas curvas e íamos lá mais vezes...

Em relação ao Benfeita Trail propriamente dito: Gostei no geral. Alguns percursos muito interessantes, principalmente aqueles trilhos puros. Foi bom e motivante para a minha preparação. A organização tem de melhorar alguns aspectos, desde a entrega de dorsais e chips, passando pelos abastecimentos até à meta que não havia (têm de ter uma meta e não uma zona de chegada para tirar o chip...Pessoalmente gosto de ter uma meta, nem que seja um risco no chão, mas algo visível para ultrapassar.
Quanto à marcação do percurso: pouparam nas fitas, mas por outro lado todas os cruzamentos estavam impecavelmente assinalados: uma seta a indicar para onde era, uma cruz a dizer que por ali não. Contudo gosto de ir vendo fitas pelo caminho, para mim o ideal é estar sempre a ver uma fita à minha frente, sinto-me confortável a correr e dá-me segurança para continuar.

Resumo da semana 8 (de 10 a 16 de Agosto)
11 Corrida 0:37:50 +- 7 Km
12 Corrida 1:14:13 +- 13 Km
15 Jogging 0:38:00 +- 7 Km
16 Benfeita Trail 4:03:38 +- 29,5 Km

Bons treinos, boas corridas.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

40.7 e táctica para o Benfeita Trail

Cheguei ao fim da fase 2, a fase de "tornar-se mais rápido", entrei agora na fase 3, que é a fase de "ir mais longe". No MyAsics diz o seguinte: "Durante a fase de Ir mais longe irá correr 216,5 km em 20 corridas corridas. Durante esta fase, irá continuar o treino de ritmo rápido da última fase mas aumentando a distância a que deve manter esse ritmo. Esta fase ajudá-lo-á a ganhar força nas pernas e resistência."

Resumo da semana 7 (de 3 a 9 de Agosto)
03AGO Corrida 0:39:53 +- 7 Km
04AGO Corrida 0:51:22 +- 10 Km
07AGO Corrida 0:36:31 +- 7 Km
08AGO Trail   2:16:50 +- 20 Km

Quanto à fase que acabou parece-me que os objectivos mínimos foram alcançados e estou de facto com uma corrida mais rápida. Porém, sinto-me algo cansado e na última corrida que fiz tive dores nos joelhos na fase de aquecimento.

No domingo que vem vou fazer um teste à preparação, no Benfeita Trail. A táctica vou adaptar do plano de treinos que me diz o seguinte: "Esta sessão combina uma corrida a um ritmo rápido e a um ritmo confortável. Corra o segmento rápido ao ritmo estabelecido e, depois, termine a sessão de treino a um ritmo confortável. Este treino irá desenvolver a sua resistência e força." Vou fazer o seguinte: Faço o aquecimento inicial já em prova e cerca de 1 hora, depois tendo em conta o terreno corro o mais rápido possível durante o maior tempo possível, deve dar uns 50 minutos na "red line", acabando o que me restar da prova num ritmo confortável e já de retorno à calma.

"O amor é mestre, mas é preciso saber adquiri-lo, porque se adquire dificilmente, ao preço de um esforço prolongado; é preciso amar, de facto, não por um instante, mas até ao fim."
Fiodor Dostoievski

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

40.5 e 40.6

Nestas duas últimas semanas houve umas falhas no treino, não corri como me indicava o plano de treino da ASICS. O plano de treinos é sempre alterado como me convém, adapto-o às minhas necessidades, sendo o plano de treinos original simplesmente um guia de corrida. Eu exemplifico: no dia de jogging o planificado são 5 kms, eu faço uns 7 kms; no dia de corrida rápida o planificado são 9 kms, eu faço uns 10 kms; no dia de treino longo eu aproveito (quase sempre) para ir correr para a serra e não consigo fazer nem a quilometragem planificada nem o ritmo de corrida. 

Os quilómetros que eu faço a mais do planeado nos dias de jogging e de corrida rápida deve-se ao facto de começar e acabar a correr em casa e os "circuitos" de corrida terem mais ou menos esta quilometragem. Como treino à noite os percursos têm de ser iluminados e por isso tenho pouca variação. Os percursos têm também algum declive o que faz com que o ritmo fique sempre mais lento do que o planeado (a não ser que vá para o complexo desportivo "fazer piscinas" na pista, é impossível na Covilhã arranjar percursos planos). 

Fica aqui o registo das corridas feitas durante estas duas semanas que passou (de 20 a 26JUL e de 27JUL a 02AGO)

20 Jogging 0:40:10 +- 7 Km
21 Corrida 0:45:57 +- 10 Km
23 Corrida 0:46:46 +- 10 Km
25 Falha (era suposto 18km Confortável)
27 Jogging 0:41:31 +- 7 Km
28 Corrida 0:45:36 +- 10 Km
30 Falha (era suposto 9km Rápido)
01 Trail 1:34:12 +- 15 Km

Em princípio vou estar na Benfeita.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

sexta-feira, 24 de julho de 2015

40.4

O caminho até ao dia que completo os 40 aninhos de existência extra-uterina e me proponho correr os anos em quilómetros está a fazer-se paulatinamente conforme o planeado. Plano de treino elaborado, como já referi, no my.asics.com e que é baseado no descanso (gosto desta filosofia de treino).
 
Nesta fase o que se pretende é que aumente a minha velocidade. No my.asics.com esta fase é descrita assim: "A fase de tornar-se mais rápido utiliza uma variedade de sessões de treino dedicadas à velocidade para que consiga melhorar o seu ritmo de corrida. Estas começam nos 10 km e aumenta-se a distância à medida que as semanas passam. As sessões permitem-lhe aumentar a sua velocidade para longas distâncias."
 
Estou a gostar das sensações e noto claramente que o ritmo de corrida tem aumentado consideravelmente.

Fica aqui o registo das corridas feitas durante esta semana que passou (de 13 a 19JUL)

14 Corrida 0:39:42 +- 7 Km
15 Corrida 0:46:26 +- 10 Km
17 Caminhada 0:34:00 +- 2,6 Km
18 Corrida 0:46:47 +- 10 Km

Tenho andado a ler Melville. Envelhecer? Preferia não o fazer... Além de ter
 muita dificuldade em saber o que é saber envelhecer.
«Saber envelhecer é a obra-prima da sabedoria e um dos capítulos mais difíceis na grande arte de viver.»
Herman Melville

quinta-feira, 16 de julho de 2015

40.3

As semanas passam, e a preparação continua. Sinto-me no bom caminho mas com necessidade de introduzir reforço muscular. Vou usar este plano da Runner's World elaborado por Jenny Hadfield.

No sábado houve uma corrida por estes trilhos verdes (em sentido contrário ao do gráfico).

E o registo das corridas foi o seguinte:
Semana 3 (06 a 12Jul)
06JUL Corrida 0:39m:44s +- 7 Km
07JUL Corrida 0:47m:20s +- 10 Km
09JUL Corrida 0:47m:08s +- 10 Km
11JUL Trail 1h:35m:43s +- 15 Km 

A motivação continua em alta. espero que se aguente sempre assim até ao fim.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Scott Jurek e o Appalachian Trail

«Embarking on a big adventure tomorrow, something I’ve always wanted to do. The time is now!»
Foi assim que Scott Jurek, no passado dia 26 de Maios, anunciou que ia fazer o Appalachian Trail. Esta entrada no blog dele é, a meu ver, brutal. Ao nível da nota de despedimento de Bruce Chatwin: «Fui para a Patagónia.»

No dia 27 de Maio, às 5 horas e 56 minutos, arrancou de Springer Mountain na Georgia, e depois de 46 dia, 8 horas e 7 minutos chegou ao cume do Mount Katahdin no Maine. Apesar de ter previsto acabar em 42 dias este desafio, alguns azares no principio da aventura atrasaram-no um pouco, mas não o suficiente para conseguir quebrar o recorde em pouco mais de 3 horas.


Esta épica journey mexeu comigo por dentro, e apeteceu-me a mim também partir para algum lado.
«(...) Quando eu era muito novo e sentia em mim o impulso irreprimível de estar em qualquer outro sítio, foi-me assegurado por pessoas de idade madura que a maturidade curaria este desejo ardente. Quando os anos me indicavam como amadurecido, o remédio prescrito foi a meia-idade. Na meia-idade, asseguraram-me que uns anos mais acalmariam a minha febre, e agora, que tenho cinquenta e oito, talvez a senilidade o consiga. Nada surtiu efeito. Quatro sopros roufenhos do apito de um navio ainda arrepiam o cabelo da minha nuca e põem os meus pés a sapatear. O som de um avião de jacto, de um motor a aquecer, até o bater de cascos ferrados no pavimento, provocam o antigo estremeção, a boca seca e o olhar vago, o calor das palmas das mãos e a agitação violenta do estômago, aos pulos sob a caixa das costelas. Por outras palavras, não melhoro, ou, indo mais longe, quem foi vadio é sempre vadio. Receio que a doença seja incurável. (...)»
JOHN STEINBECK, Viagens com o Charley.

Um dia também deixo uma mensagem do tipo: Amanhã começo com a Ana mais uma grande aventura... 

Até lá estou com a Ana nesta big aventura que o Scott vai começar a seguir... E tem sido fantástico e brutal.

*459

quarta-feira, 8 de julho de 2015

40.2


A preparação continua. Esta semana encurtei o treino de sábado. Principal razão: perdi-me no trilho e depois fiquei desmotivado para seguir por mais algum lado e fazer mais quilómetros.

Nos treinos de terça e quinta-feira recorri à música do Podrunner: Intervals para alterar o ritmo de corrida e dar mais intensidade ao treino e assim tentar melhorar a velocidade. Resultou bem.

Semana 2 (29Jun a 05Jul)
2ª Feira: +-7km Corrida * 38m:20s
3ª Feira: +-10km Corrida com várias intensidades * 51m:02s (Com a ajuda desta música )
4ª Feira: Descanso
5ª Feira: +-10km Corrida com várias intensidades * 49m:27s (Com a ajuda destoutra música)
6ª Feira:  Descanso
Sábado: +-6km Confortável * +-35m:00s
Domingo: Descanso


Agora que penso nisto: O Velho e o Mar, no fundo, é uma narração de uma ultra-maratona.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

40

Comecei a treinar para aquela prova que faço desde 2008: correr no meu dia de aniversários os quilómetros pelos anos. Ajuda do MY ASICS para preparar o plano de treinos.

Nesta primeira semana (22 a 28JUN) de preparação foi assim:
2ª Feira: +- 7km em 0:40:03
3ª Feira: +- 10km em 0:56:56
4ª Feira: Descanso
5ª Feira: +- 7km em 0:37:36
6ª Feira: Descanso
Sábado: +- 15km em 1:59:56
Domingo: Descanso

Este 40º ano de vida tem sido brutal e espero que mais coisas boas se juntem à caminhada até ao dia de comemoração. Como sempre é para ser divertido, o dia e principalmente o caminho até lá que tem muitos mais dias. Este ano nem as velas me vão tirar o brilho*, podem ser enormes.

«Os velhos acreditam em tudo, as pessoas de meia idade suspeitam de tudo, os jovens sabem tudo.
Oscar Wilde

sábado, 6 de junho de 2015

A Trupe

tru·pe 
(francês troupe)
substantivo feminino
1. Grupo de artistas que actuam em conjunto. = COMPANHIA
2. Conjunto de apoiantes ou seguidores.
[...]
"trupe", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/trupe [consultado em 05-06-2015].

É muito engraçado "fazer provas" de corrida, mas isto de "fazer as provas" não é algo que "faça" sozinho. Mesmo para mim, que não tenho marcas patrocinadoras nem sequer tenho clube para representar, há mais pessoas envolvidas nestas loucuras. E sem essas pessoas que me apoiam e me patrocinam, a corrida não teria tanta graça.

Este post é de profundo agradecimento à trupe que me acompanha.
Utilizei a palavra no relato que fiz sobre o UTSM, antes fui ver o que ela significava e deixei-me levar pelas definições positivas. A definição 2 é manifestamente evidente, mas já a definição 1 que não é tão clara e óbvia, é a definição que mais se aproxima do sentimento.

Este substantivo substantivamente feminino é a minha família, que me atura, que me mantém no caminho certo, que me dá carinho e amor incondicional. O apoio durante a prova é uma pequena parte do apoio que dão às minhas corridas. Sabem que eu gosto de correr e ficam felizes por mim.

E suportam as "secas" que é estarem à minha espera.

Meus amores, bem-haja pela amizade.


sexta-feira, 22 de maio de 2015

UTSM 2015 (2)

[Continuação]
 E os quilómetros lá se seguiram com o calor a apertar.
 Subida brutal onde o ânimo escorrega por ali abaixo em direcção contrária e a uma velocidade estonteante. A custo chego a Carreiras. Abasteço de água, como mel, umas bananas. Gostaria que o ânimo subisse como sobe o calor. Agora sei que tenho pela frente a tal calçada romana muito irregular. A distância entre estes PAC's é a menor, pagamos a factura no próximo... São quilómetros intermináveis naquela ladeira romana, sem sombras. O sol carrega sobre os ultras, as pedras da calçada fazem com que os pés comecem a fritar... Mas porque é que eu só troquei de meias e não troquei também de sapatilhas? Sei lá. A motivação é saber que no próximo PAC estão à minha espera.
O Cáfia improvisado.
 PAC 8, Penha de Castelo de Vide. Desta vez sem a descida de rappel da ermida para o abastecimento, perdemos em adrenalina ganhámos em segurança, no final parece-me que o saldo é positivo.
 O apoio foi brutal, com direito a coca-cola fresca... nem queria sair dali. Mas tinha de ser, enfrentar a pior parte do percurso com um calor abrasador. Os pés já estavam uma desgraça. Faço prognósticos de chegada ao próximo ponto e percebo com estupefacção que o telemóvel está uma hora adiantado. Como é que isto aconteceu? Deve ter sido do roaming e o telemóvel a pensar que estava a fazer uma viajem até terras espanholas, actualizou automaticamente as horas e depois não voltou a actualizar para a hora portuguesa. É a única explicação que encontro e faz sentido para mim.
 Esta é a pior parte do percurso: mais monótona, distância mais longa entre dois PAC's, principalmente por estradões e onde o sol e o calor se fazem sentir ainda mais. Sem sombras por onde seguir, este segmento parece que nunca mais acaba...
 Já farto desta parte chegamos à fonte, não é um PAC mas há por aqui água fresca... só vamos com 84 km... ainda faltam 6... Algum tempo mais tarde, mais farto ainda desta parte do percurso, pergunto a um companheiro a distância que o seu relógio marca: 86 km. 86? f*d*ss* ainda só andei 2... e continuei, não tinha outra solução...
 Por volta dos 89km:
 A cerca de 1 km do Convento de Provença aconteceu o estoiro. Apanhei uma marretada daquelas. Um gel para ver o que se pode recuperar. Descida para o convento. A passo, devagar e devagarinho. Os pés já estavam cozidos e fritos. Convento. Oportunidade de recuperar forças.
PAC9. Umas braçadas na piscina. Tão bom!
 Uma sombra. A melhor companhia de sempre. Descalço as sapatilhas e as meias, tenho que tratar das bolhas, mas antes atiro-me à piscina. Brutal. Refrescante. Revitalizante. E é óptimo. Umas braçadas, e ganho uma nova alma. Mais uma coca-cola fresca. Trato as bolhas, não muito bem tratadas porque rapidamente voltaram a ficar cheias de liquido, e volto a vestir a camisola, a equipar-me para me fazer à estrada. É preciso continuar que eu ainda sou de longe. Duas fatias de pizza com bata frita e vamos embora.
 Grosso modo falta uma subida. Mas uma subida que me leva logo as reservas todas no principio dela. Penosamente subo e desço até à senhora da Penha. Água fresca. Desço as escadas sem problemas, até com muita vitalidade, a descer as escadas os pés não me doíam...
 
Falta uma voltinha...
Faltam 5 km.
 Há que continuar, um pouco mais lento. Problemas técnicos na meta, ainda não estão preparados para me receberem e é claro que eu aguento um pouco mais pelo caminho, quero passar a meta acompanhado.
 Faltam 2 km.
 Afinal faltam 3 km.
 Telefona-me o Filipe a perguntar como estou, quase a acabar e com umas duas horas a menos em relação ao ano passado. É do treino que segui estas últimas 12 semanas, feito na base do descanso.
 Agora é que faltam 2 kms.
 «Quer água?»
 «Não, ainda tenho aqui alguma, se me faltar até à meta, vou o resto do caminho a pé.»
 Falta 1 km.
 Demoro ainda mais um pouco a tentar uma selfie com a placa... Podiam ter feito uma placa mais alta, mais fácil para tirar a tal selfie, e com mais informações... é que este último quilómetro é para reflexão, introspecção e entrar em meditação profunda.
"É na busca mágica do último quilómetro que todos nós corremos." Jorge Branco
 Estádio dos assentos. A trupe à minha espera.
 Passar pela quarta vez a meta do UTSM.
 Fantástico!

quinta-feira, 21 de maio de 2015

UTSM 2015 (1)

 Depois de ter terminado as 4 edições já há poucas coisas que eu posso escrever sobre o UTSM.
 Gosto de voltar a Portalegre porque sou bem recebido e mesmo com o grande aumento de corredores continuam a saber receber bem. Apesar disso houve dois pormenores que não gostei tanto.
 Mas vamos à corrida. Como tinha por base um treino mínimo, para conseguir os objectivos de terminar a prova, tinha engendrado um plano de ataque que me levaria à meta com umas 19h30m. O plano que recuperei do ano passado.
 Não tenho relógio de pulso, por isso teria de controlar o tempo pelo relógio do telemóvel. Ora, levei um telemóvel  comigo, além de ser obrigatário dava-me a possibilidade de enviar sms à medida que evoluísse na prova. Só que não estava muito familiarizado com este aparelho...
 A coisa ia a correr bem, dentro do tempo de passagem no primeiro PAC, dentro do tempo de passagem no segundo PAC (o da boleima), deu para enviar os sms pretendidos... até que...
 Recebi dois sms na subida para o terceiro PAC (o das antenas, aquele lá no cimo) a falar qualquer coisa sobre roaming e tal e os custos. Não prestei atenção, mas mal eliminei as mensagens houve uma coisa que me fez começar a mexer os pés mais rápido: estava atrasado em relação ao horário previsto.
Apanhado pela objectiva da Paula Fonseca quase a chegar ao PAC5.
 Dei corda às sapatilhas, encurtei ao máximo o tempo de permanência no PAC 3 (só deu tempo para abastecer de água, comer duas fatias de bolo de chocolate e ainda trocar as pilhas do frontal) depois na descida deixei-me ir com toda a velocidade e no PAC 4 já consegui entrar no timing, aqui tive que tratar do 2º dedo do pé esquerdo.
 O sol começa a nascer e com ele o imenso pó que se fez sentir a noite toda começa a amainar. É altura de mudar de caracterização: passo da boca tapada com o "buff" para evitar o pó, para a cafia que me irá proteger do sol durante o dia quente que se aproxima.
 Duas bifanas aqui para a mesa 4 faxfavor. Estava no PAC 5. Deveria ser quase 9 horas... Pelos meus cálculos...
 Próximo objectivo: conquista do Castelo. Já sei como é, o impacto não é o mesmo aquando da primeira vez. Apesar de continuar igualmente duro, não é tão difícil. Já sei ao que vou e o que me espera.
 Castelo conquistado pelas portas falsas. PAC 6. Troco de meias, como uma malga de sopa e mais qualquer coisa e siga que se faz tarde...

[Continua]

sexta-feira, 15 de maio de 2015

São Mamede em contagem decrescente


Daqui a 24 horas estarei, em principio, a partir para os 100 kms de S. Mamede.
Levo comigo o sonho de terminar a prova com aplausos de uns espectadores especiais*. Levo comigo alguma apreensão pelo enorme erro do fim de semana passado: tenho feridas nos pés e nas costas; dores na coxa direita e nos ombros; os tornozelos fazem mostrar o desagrado do erro.Levo comigo também uma enorme vontade de me divertir, de ultrapassar as dificuldades à medida que elas aparecem, e de dar luta. A táctica utilizada é a mesma do ano passado, o tempo previsto são as 19h30.
Vamos lá ver se me aguento.
Vou agora fazer o último treino: 7 kms @ 5:30 min/km.

*459

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Os conselhos de Mafalda

«Ó homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo.» -oráculo de Delfos


* Por vezes perdemos-nos na imensidão de nós próprios.
* Por vezes olhamos no espelho e não nos reconhecemos.
* Por vezes não gostamos do que somos realmente.
É preciso diariamente fazer turismo dentro de nós próprios para olhar olhos nos olhos e ver que há algo que não gostamos. É condição necessária para melhorar. Por vezes só melhoramos com ajuda.

terça-feira, 12 de maio de 2015

Às vezes não sei porque o faço, mas tá-bem...

E este domingo lá fui fazer o ULTRA TRAIL –ALCAINS 2015 (UTA15).
Não devia ter ido, por vários motivos importantes e mais um: o facto de ser poucos dias antes do UTSM. Mas inscrevi-me, por um impulso irreflectido, e lá o fiz. Mas aquilo correu mal, muito mal, pelo menos a nível da organização.


Podia falar da péssima sinalização do percurso, ou dos fraquinhos abastecimentos, ou do regulamento (que obrigava a frontal, com pilhas de substituição para uma prova diurna... e que prometia prémios aos vencedores...), ou do facto de ver classificado à minha frente atletas que não me recordo de me terem ultrapassado... mas não quero falar das coisas que correram mal, porque não tenho tempo e o blog não é para isto, só quero dizer uma coisa: a organização tem de melhorar muito, e quando digo muito quero dizer tudo.

O melhor da prova foi o mergulho que dei na barragem da Marateca, a água estava mesmo boa, ficava ali a tarde toda...

Mas agora preciso de recuperar rapidamente para sábado. Estou convencido que foi um grande erro ter ido a esta prova, espero não o "pagar" muito caro.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Correr

Correr é tudo isto que o Jorge Branco diz aqui. Correr é um encontro com a alteridade de nós próprios, correr é uma busca insana no melhoramento do eu. Correr é a minha meditação, a minha oração.
Qual é o objectivo de correr? Nenhum, apenas quero continuar a correr. Não tenho outra finalidade além da de continuar a correr enquanto puder. Corro para viver. Não posso viver de outra maneira. 

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Meia-maratona 2

No dia 25 de Abril houve mais uma meia-maratona, desta vez a começar em Alcains e a terminar em Castelo-Branco.

Arranquei, sem relógio (na verdade não sei do meu velhinho casio desde a meia-maratona de Belmonte), mas com   E fui num passo confortável até aos 5km. Perguntei o tempo a um companheiro: passava dos 23 minutos. Nada mau, bem melhor que a semana passada. Depois imprimi um ritmo um ponto acima do passo confortável, é que o percurso era sempre a subir, uma subida ligeira é certo, mas que começava a moer os sentimentos de um tipo que acha por princípio que aquilo não tem inclinação suficiente para ser chamada de subida. E assim fui até à meta para a "cortar" com 01h39m06s.

Agora o que queria era que o meu casio aparecesse, vou precisar dele para saber as horas. Num dia de loucura inscrevi-me para o Ultra-Trail em Alcains. Serão 45 Km pela serra da Gardunha, (e agora a loucura) cinco dias antes do Ultra-Trail de S. Mamede...
Ó homem, conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo. -oráculo de Delfos
A ver se me aguento, se fizesse os 160 kms do OMD ficaria bem pior...

» Faltam 15 dias...

sábado, 25 de abril de 2015

Meia-maratona 1

Aguentei-me!

No sábado fui correr para a serra, foram 3h fantásticas forçando o andamento numas subidas. As sensações foram óptimas, como são sempre as sensações quando se está em contacto com esta natureza. O tempo agreste deu para experimentar o meu novo casaco impermeável, adquirido no LIDL: digamos que não é perfeito, mas pelo preço é óptimo. Acabei como deveria ter acabado: cansado e com a boa sensação de treino cumprido.

No domingo foi toda a família, excepto os gatos, até Belmonte. A minha promessa foi a de acabar a meia-maratona antes das 1h50, dando uma margem de manobra até às 2h de prova, caso acontecesse alguma falha geral do sistema.

Comecei a corrida com a sensação de pernas pesadas, mantive um ritmo confortável na companhia de mais três companheiros e fomos progredindo conversando agradavelmente, um companheiro dizia que o ritmo era um pouco rápido para ele, mas a companhia era boa e manteve-se no ritmo, que estaria abaixo dos 4'50'' até perto do km 8, altura da primeira subida. Aos 10 quilómetros com as pernas já quentes e sem aquela sensação de cansadas e pesadas, achei que poderia aumentar o ritmo e testar até onde poderia forçar, a partir daqui foi uma corrida sempre em solitário até à meta, passei ao quilómetro 11 com o tempo no meu cronómetro a passar um pouco dos 55' (ouve um descuido do ritmo entre o 8º e o 9º quilómetro que se saldou por mais um minuto) continuando num ritmo alterando entre o confortável e o forcing nas subidas. A segunda parte da corrida era mais difícil, o castelo de Belmonte fica lá no alto do monte (como todos os castelos) e eu sabia que era lá a meta, é claro que comparando com as subidas do dia anterior não era nada de especial mas o meu receio era o cansaço acumulado, calmamente cheguei ao cimo do monte e à meta com o tempo oficial 01:46:44.

Gostei das sensações físicas, gostei de ter pessoas lindas à minha espera e felizes por me voltarem a ver. É sempre uma sensação incrível, quer seja uma prova de estrada, uma prova de trail ou um simples treino mais longo. 

A corrida é uma "cena" fantástica, contigo ainda se torna mais.

*459

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Agora é que é a sério!

«As pessoas felizes lembram o passado com gratidão, alegram-se com o presente e encaram o futuro sem medo.» Epicuro

Voltei às cerejeiras em flor, cinco anos depois de lá ter estado. Demorei mais uns 7 minutos, a idade não perdoa, o peso também não.

Ando, novamente, a treinar para enfrentar os 100 km de S. Mamede. Desta vez treino é baseado no descanso: muitos menos quilómetros semanais que o habitual plano de treinos que eu tentava imprimir para estas provas, muitas menos horas de treino, nem sei o declive acumulado que treino, mas também tem um défice grande. Apesar disso tudo espero apresentar-me à partida do UTSM, espero conseguir chegar à meta e espero que seja um melhor tempo que o ano passado. 

O próximo fim-de-semana é de testes: no domingo na meia maratona de Belmonte, espero fazer um tempo inferior a 1h50m; no Sábado, pela montanha acima, espero fazer um tempo superior a 3h.

A ver se me aguento...